BRASIL IMPÉRIO

 

 
   
   
  Brasil Império marca o início de uma nova nação. Aqui se prosseguirá na comparação da linha do tempo entre Brasil, Rio Grande do Sul e Contexto Mundial. Trata-se do terceiro histograma da série que visa refletir-se sobre a formação dos valores ideológicos, poíticos e sociais especialmnte da gente sulina.
   
   
   
BRASIL IMPÉRIO   PROVÍNCIA DO RIO GRANDE DO SUL   CONTEXTO MUNDIAL
         
1822 – Iº IMPÉRIO        
7 de Setembro, D. Pedro I proclama a Independência, surge o Império do Brasil.
Dificuldades econômicas e financeiras, com desequilíbrio da balança comercial; faltam indústrias.
  1822 – João de Deus Menna Barreto assume a Presidência da Junta da Província que conta com 150.000 a 200.000 almas.
        – O charque dinamiza a pecuária.
  1822 – EUA reconhece a independência da maioria dos latino-americanos.
        – México Independente
   
   
        1823 – Doutrina Monroe.
        – A França restaura o Trono espanhol.
1824 – 1ª Constituição.
         – Confederação do Equador: Pernambuco revolta-se contra o absolutismo de D. Pedro, é dominado, 16 insurretos condenados à forca e Frei Caneca fuzilado.
     
  1824 – Província do Rio Grande de São Pedro do Sul.
        – São Leopoldo: tem início a colonização alemã.
   
     
     
1825 – Guerra com a Argentina na disputa pela Banda Oriental. Agrava-se a situação econômica. Amplia-se a impopularidade do Imperador.
        – Inglaterra e Portugal também reconhecem o Brasil, o que custa um endividamento de 2.000.000 de libras (US$ 3,5 milhões) para com os ingleses.
  1825 – Mobilizam-se tropas rio-grandenses para a Guerra da Cisplatina.
       – Líderes gaúchos se desentendem com o Império.
  1825 – Os 33 Orientales, de Lavalleja optam pela anexação à Argentina.
   
     
      1826 – Comte inicia Curso de Filosofia Positiva; diz-se fundador da Sociologia.
        – Rivadávia, 1º Presidente Constitucional da Argentina.
        – Morre D. João VI, D. Pedro abdica em favor de Dª. Maria da Glória.
     
     
    1827 – Batalha do Passo do Rosário (Ituzaingó). Artigas comanda tropas uruguaias e argentinas; Bento Gonçalves assume a retirada.   1827 – Lavalleja, ditador no Uruguai. Argentina: Rivadávia renuncia.
        – EUA, primeira ferrovia.
        – C. Marx publica O Capital.
    1828 – Colonização alemã intensificada: agricultura de subsistência. E a exportação de carnes é disputada com os vizinhos platinos.   1828 – A Cisplatina torna-se independente: República Oriental del Uruguay.
1830 – Conflitos com a aristocracia agrária.       1830 – França invade a Argélia. A Bélgica separa-se da Holanda. Novas revoluções liberais na Europa.
        – No Uruguai, assume Rivera como 1º Presidente constitucional.
1831 – REGÊNCIAS
Abdicação de D. Pedro I em favor de seu filho. Instala-se a Regência Trina. José Bonifácio, líder da oposição, fica tutor de D. Pedro (II).
Café, o 1º lugar nas exportações.
  1831 – Facções políticas: Caramurus, Farroupilhas e Chimangos.    
1833 – José Bonifácio, destituído do encargo de Tutor pela Regência.       1833 – Os ingleses ocupam as Malvinas.
1834 – Ato Institucional confere Poder Legislativo às províncias.   1834 – Centralização política da Regência e acusações a Bento Gonçalves de ligação com uruguaios inquietam.    
1835 – Pe. Feijó assume a 1ª Regência Una até 1837, quando passa a articular a Revolução Liberal de 1842.
        – Cabanagem: Revolta em Belém, sufocada em 1840, tinha caráter popular, local e, remotamente, contrário ao centralismo político das Regências.
  1835 – Eclode a Revolução Farroupilha a 20 de Setembro: tomada de P. Alegre, Piratini também no poder Farrapo.   1835 – Rosas toma o poder na Argentina e no Uruguai, Oribe sucede a Rivera.
1836 – Formam-se os primeiros partidos políticos: Liberal e o Conservador.   1836 – Batalha do Seival; prisão de Bento Gonçalves na Ilha do Fanfa, após é transferido para a Bahia. Porto Alegre volta ao domínio legalista. Antônio Souza Neto proclama a República Rio-Grandense.   1836 – Rivera se subleva contra Oribe
1837 – Regência Una de Araújo Lima.
        – Sabinada: Insurreição na Bahia; ufanismo pessoal de Francisco Sabino, negando a concepção política regencial.
  1837 – Bento Gonçalves foge da prisão, retorna ao Rio Grande do Sul. Caçapava cai no domínio Farrapo. Bento Manuel captura o Governador da Província, o Brigadeiro Antero.   1837 – Rainha Vitória no Trono inglês.
1838 – Balaiada: Insurreição no Maranhão; a instabilidade política inquieta líderes populares, entre eles Manuel Francisco Ferreira (o Balaio) que é ferido e morto ao final.   1838 – Rio Pardo no domínio Farrapo. A Revolução abrange S. Catarina.   1838 – A França bloqueia Buenos Aires e invade o México.
        – Uruguai: Oribe renuncia, Rivera o substitui.
    1839 – Laguna: Canabarro com apoio de Garibaldi, funda República Juliana.
        – Manifesto Farroupilha: críticas à centralização excessiva da Monarquia e a espoliação fiscal.
  1839 – Uruguai: declaração de guerra a Rosas; e
        – Apoia os Farrapos, por onde se exporta o charque gaúcho.

1840 – IIº IMPÉRIO

Antecipada a maioridade de D. Pedro II, que é entronizado.

  1840 – Combate Taquari, perda Farrapa. Garibaldi transporta a embarcação Rio Pardo por terra para alcançar o mar, vencendo o bloqueio Imperial do rio Capivari.   1840 – Império Otomano sob o jugo inglês.
    1841 – Porto Alegre: Mui Leal e Valorosa, pela reação de 1836, título conferido pelo Imperador.   1841 – Inglaterra, preocupada com ópio procedente da China, invade o Cantão.
1842 – Revolução Liberal: São Paulo, com Tobias Barreto e em Minas, com Teófilo Otoni.   1842 – Duque de Caxias é designado Governador da Província do Rio Grande.
        –  Grandes feitos Farrapos.
  1842 – Agora a Inglaterra toma Hong Kong.
    1843 – Declínio Farrapo.
        – Combate de Ponche Verde.
  1843 – Oribe, com apoio argentino, estabelece o cerco de Montevidéu.
1844 – Protecionismo alfandegário: fim do tratado de 1810 com ingleses.
        – O regime Imperial do Paraguai, de 1842, é reconhecido.
  1844 – Combate de Caro, última ofensiva Farrapa.   1844 – O Texas é anexado pelos EUA.
        – Paraguai: Carlos Antônio Lopes Presidente.
   

1845 – Tratado de Paz, em Ponche Verde no município de Dom Pedrito, põe fim à Revolução Farroupilha, sob condição de liberdade para os escravos que lutaram, anistia geral e ingresso dos oficiais no Exército Imperial; gestões de Vicente da Fontoura o “Embaixador dos Farrapos”.

        –  Partido Liberal fortalecido

  1845 – Lutas políticas no Uruguai, Rosas apoia o blanco Oribe contra o colorado Rivera. Rosas pretendia refazer o Vice-Reino do Prata.
        – Esquadra anglo-francesa bloqueia Buenos Aires e Montevidéu.
        – A Inglaterra promulga o Bill Aberdeen, ameaçando tráfico negreiro.
        1846 – EUA toma Califórnia do México.
        – Telégrafo: Samuel Morse.
1847 – Monarquia Parlamentar; D. Pedro II nomeia o Presidente do Conselho para criar o ministério.
        – Revisados os acordos comerciais com a Inglaterra (de 1810); indústria têxtil implantada.
  1847 – D. José Rodrigues Prates, 1º Bispo do RGS por Pio IX.    
1848 – Revolução Praiana, Pernambuco, contra a aristocracia rural.
        – Lei Eusébio de Queirós extingue o tráfico negreiro.
  1848 – “Exército Libertador” é formado para combater Oribe, por invadir estâncias na fronteira. Ação das califórnias de Chico Pedro.   1848 – Cai a monarquia francesa. Manifesto comunista: documento programático oriundo de organização internacional de operários (Marx e Engels).
        – Ouro na Califórnia. Tratado de Paz México-EUA. França levanta bloqueio na Argentina.
1849 – Invasão às Missões argentinas.        
1850 – A Lei de Concessão de sesmarias é extinta.       1850 – Argentina rompe com o Brasil.
        – Construção do Canal do Panamá. Inicia a conquista do Oeste americano, intensificada até o final do século.
1851 – O movimento abolicionista é irreversível. Invasão do Uruguai e da Argentina. Pelo tratado de paz com o Uruguai, o Brasil ganha território.   1851 – Fim da Guerra contra Oribe, inicia a luta contra Rosas, a mobilização permanece.   1851 – Oribe derrotado, sobe ao poder Venâncio Flores, no Uruguai. Urquiza com o apoio do Brasil e Uruguai, se opõe a Rosas.
1852 – Primeiras linhas telegráficas.   1852 – Ligas interpartidárias: de um lado o Partido Conservador e do outro, lidera o Partido Liberal.   1852 – Derrota de Rosas em Monte Caseros. Argentina se divide em Confederações: Buenos Aires e Argentina.
1854 – Nova incursão militar ao Uruguai.   1854 – As terras, agora, são vendidas a colonos imigrantes.   1854 – Inglaterra, França e Turquia declaram guerra à Rússia.
        – São João, Nicarágua, é bombardeada pelos EUA.
1856 – Brasil, Argentina e Paraguai assinam tratados de amizade, comércio e navegação.        
        1857 – Incêndio criminoso mata 159 mulheres operárias têxteis em Nova York, daí: 08 de Março, Dia Internacional da Mulher.
        – Publicado o Livro dos Espíritos, Alan Kardec.
1858 – Inaugurada a 1ª estrada de ferro, hoje Central do Brasil.       1858 – Guerra Civil no México.
1860 – Decadência do café no vale do Paraíba, porém ascende o grão no vale do Tietê, oeste paulista.   1860 – Reorganiza-se o Partido Liberal.
        – A concorrência do comércio do charque com os platinos é restabelecida.
  1860 – França e Inglaterra em guerra contra a China. Lincoln, presidente dos EUA Argentina: Santiago Derqui, Presidente da Confederação e Aurélio Tounens, Imperador da Patagônia.
        – Uruguai anula tratado de 1851 com o Brasil e implanta as charqueadas.
        1861 – México suspende dívida externa.
        – Guerra Civil nos EUA. Na Argentina a Confederação cede a Buenos Aires, Bartolomeu Mittre, Presidente.
1862 – Questão Christie: a falta de diplomacia e prepotência de representante inglês no caso do naufrágio de navio na costa gaúcha, que teve a carga roubada (1861) e um segundo incidente, com um embriagado diplomata inglês, abalam a opinião pública.       1862 – Solano Lopes sucede ao seu pai no Paraguai.
        – Espanha, Inglaterra e França invadem o México; França, a Indochina.
        – Prússia: Bismarck é o Primeiro Ministro.
1863 – Rompimento com a Inglaterra que só apresenta desculpas oficiais, no caso Christie, 2 anos após.   1863 – Manifesto do Partido Liberal. E os gaúchos pressionam o Império para apoiar Venâncio Flores.   1863 – Venâncio Flores (Colorado), com apoio gaúcho, inicia guerra civil contra Aguirre (Blanco).
        – EUA: Lincoln decreta abolição da escravatura. Guerra de Secessão.
1864 – Invasão no Uruguai. E declaração de guerra ao Paraguai.   1864 – Mobilização à luta contra Aguirre que não toma medidas contra infiltrações na fronteira.   1864 – Uruguai: Aguirre, presidente. Solano Lopes o apoia; V. Flores, ditador, reconhece reclamações brasileiras.
1865 – Tríplice Aliança: Brasil, Uruguai e Argentina contra o Paraguai.       1865 – Lincoln assassinado.
1866 – Início operações militares da Tríplice Aliança.
        – Imigração estrangeira: lavoura cafeeira paulista.
  1866 – Indústria de carnes impulsionada, bem como a lavoura na zona da colônia alemã.   1866 – Espanha bombardeia Valparaíso (Chile) e Calao (Peru).
1867 – O Amazonas é aberto ao tráfego de navio negreiros.       1867 – Insurreições na Argentina opondo-se à Tríplice Aliança.
        – EUA compra Alasca à Rússia.
        – Itália: Garibaldi invade os Estados Pontifícios.
1868 – Crise política, queda do Gabinete de Zacarias.- Caxias toma Humaitá e paraguaios também derrotados em Itororó, Avaí e Lomas Valentinas.   1868 – Surge o jornal A Reforma do Partido Liberal.   1868 – Uruguai: Venâncio Flores e C B Berro assassinados; Batlle, Presidente.
        – Nos EUA a ligação ferroviária costa a costa é festejada.
1870 – Solano Lopes morto no cerro Corá. Fim da Guerra com o Paraguai. Manifesto Republicano no Rio. Crise econômica. Café toma impulso.   1870 – Charqueadas em crise.   1870 – Judeus se estabelecem na Palestina, de governo Turco.
        – Unificações italiana e alemã.       
        – Argentina: Urquiza Turquia assassinado.
        – Uruguai Timoteo Aparício lidera guerra civil.
1872 – Acordo de limites com Paraguai. 1º Recenseamento: 10 milhões de almas. D Pedro II não permite a divulgação da encíclica Syllabus contra a franco-maçonaria, datado de 1864.       1872 – Fim Guerra Civil no Paraguai. Guerra entre Honduras e Salvador.
        – Predomínio do capital monopolista e financeiro.
1873 – Manifesto Republicano em Itu.
        – Acentua-se, nesta década, a decadência da Monarquia. Excessiva centralização administrativa limitando as províncias. Os partidos políticos, girando em torno do Governo, nada representavam. O trabalho escravo denegria a dignidade humana. Desprestígio do Império na América. A Questão Religiosa: conflito entre a Igreja e o Império; o Imperador tinha demasiado ingerência nos assuntos do Clero. Visconde. de Mauá caracteriza-se por sua visão empreendedora.
  1873 – O Partido Liberal domina a Assembleia gaúcha num período de comando Conservador. Inconformismo geral.   1873 – Japão: Revolução Meiji, iniciada em 1871, vive nova era: fim do feudalismo dos samurais, abolindo castas, instrução obrigatória. O País isolara-se desde 1636, ingressa no desenvolvimento industrial e econômico.
    1874 – Conflito dos Muckers no Ferrabrás (Sapiranga). 1ª estrada de ferro no RGS (P Alegre-S. Leopoldo).    
    1875 – Início da imigração italiana.    
        1876 – Invenção do telefone: A. Bell.
        – Paraguai assina tratado de paz com a Argentina, regulando comércio, navegação e limites.
        1877 – Invenção do fonógrafo.
1878 – Crise na produção do café, enquanto a da borracha se expande.   1878 – Ascensão do Partido Liberal ao Governo, líder: Gaspar Silveira Martins.   1878 – Tensão entre a Argentina e Chile; Grande Chaco, pretendido pelos argentinos, fica com o Paraguai.
        1879 – Peru e Bolívia em guerra contra o Chile.
        – Surge a lâmpada de Tomás. Edson.
1881 – Não católicos e estrangeiros naturalizados recebem direito ao voto.   1881 – Descendentes alemães ingressam no Partido Liberal.   1881 – Rússia: Czar assassinado.
1882 – Borracha é o 3º produto na exportação.   1882 – Fundação do Partido Republicano Rio-Grandense (PRR); Júlio de Castilhos com forte liderança.     1882 – Tríplice Aliança: Alemanha, Itália e Império Austro-húngaro.
1883 – Questão Militar: oficiais afastados da vida política desde a Guerra do Paraguai, ao ensejo do manifesto de Sena Madureira, ficam proibidos de discutir via imprensa. O Imperador cede já demonstrando fraqueza.   1883 – Fundação do jornal “A Federação” do PRR.   1883 – Acordo de paz entre Chile, Bolívia e Peru. Chile anexa territórios.
    1884 – Serviço escravo, remunerado.   1884 – Guerra do Pacífico: Chile e Bolívia, que perde o Litoral Sul.
1885 – Lei dos Sexagenários.   1885 – Mar. Deodoro, Comandante de Armas da Província, protesta e é chamado ao Rio, faz publicar manifesto redigido por Rui Barbosa.   1885 – Guatemala invade El Salvador.
        – EUA invade o Panamá e o devolve à Colômbia. Partilha da África.
    1887 – Ligação de militares com PRR, de Júlio de Castilhos, acelera a queda da Monarquia.   1887 – Gramofone: Emile Berliner.  
1888 – Lei Áurea assinada pela Princesa Isabel, em 13 de maio, Dom Pedro II viajava pela Europa.                 – Política imperialista dos estados capitalistas, dominando países sem política independente.
1889 – Proclamada a República pelo Mal. Deodoro, era o 15 de Novembro.   1889 – Caem os Liberais do poder. Silveira Martins no exílio.    
         

 

   
   
   
 

A elite brasileira, aconchegada ao conforto do Paço, se envolve com a Corte Imperial, a qual se sai airosa aplicando gambitos nos ideais liberais e republicanos formados desde a segunda metade do século XVIII.

 Na Província do Rio Grande do Sul, uma elite menos aristocrata, mais ruralista, deu uma importante contribuição à formação política nacional. Primeiro foram as lutas pela conquista territorial, depois a Revolução Farroupilha, finalmente, a Guerra do Paraguai. Seu pendor pecuarista é ainda vivo, mas o permanente “estado de guerra” aguça o militarismo, distinto do coronelismo presente no Nordeste e Centro do Brasil. Uma elite militar aí se fortaleceu na última metade do século XIX. É sobre sua égide implantada a República, embora tardiamente, como retardado fora o processo emancipacionista. Elite essa – que redunda descomunalmente avultada ante aos frágeis segmentos da sociedade – efemeramente arrefecida com a eleição de Prudente de Morais, em 1894, pondo fim à “República das Espadas”.

Outro importante segmento social, entre os gaúchos, a se considerar é o resultante da imigração, especialmente alemã e italiana. Sua integração, em nível regional, depois de essencialmente agrária, transformar-se-á em industrial. Um segmento complementar a pecuária, mais do que isso, um segmento industrial totalmente independente do capital monopolista financeiro internacional, o qual avilta e submete os povos subdesenvolvidos.

As terras, com a extinção da Lei das Sesmarias (1850), são vendidas aos colonos que, as comprando, otimizam sua produtividade. O paternalismo impregnado na consciência nacional deveria espelhar-se nesta diretriz e banir para sempre os favorecimentos que, ao contrário do incentivo, só estimulam a dependência e a improdutividade.

Estabelecer uma política própria é compreender suas raízes, é deixar de importar tecnologia só liberada na sua obsolescência, que tão somente dá uma imediata sensação de desenvolvimento às custas de sacrifícios vindouros.